Sexta-feira, 27 de Abril de 2007

uma simples observação

Eduardo Prado Coelho escreveu: "A crença geral anterior era de que Santana Lopes não servia, bem como Cavaco, Durão e Guterres. Agora dizemos que Sócrates não serve. E o que vier depois de Sócrates também não servirá para nada. Por isso começo a suspeitar que o problema não está no trapalhão que foi Santana Lopes ou na farsa que é o Sócrates.O problema está em nós. Nós como povo. (...) Agora, depois desta mensagem, francamente decidi procurar o responsável, não para castigá-lo, senão para exigir-lhe (sim, exigir-lhe) que melhore seu comportamento e que não se faça de mouco, de desentendido. Sim, decide procurar o responsável e ESTOU SEGURO QUE O ENCONTRAREI QUANDO ME OLHAR NO ESPELHO. AÍ ESTÁ. NÃO PRECISO PROCURÁ-LO EM OUTRO LADO."

Comentário: Ele andou a ver o "V for Vendetta" :P (comprou a edição especial e depois pensou "epá vou usar isto na minha próxima crónica"). Se acham que estou a brincar, vejam o filme.

Jorge
(remember remember the 25th of April)
sinto-me: podia estar melhor
publicado por 3grandesportugueses às 00:57
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Phil a 27 de Abril de 2007 às 09:59
O giro, é que eu próprio já tinha feito uma referência a isso no meu blog...sinceramente que falta de imaginação...ainda falam da Margarida Rebelo Pinto...

http://philmindspot.blogs.sapo.pt/20060.html
De Rui Garrido a 4 de Julho de 2007 às 06:32
Este tipo é um assassino cultural. E sim, quando se olhar ao espelho é melhor que veja lá um culpado, porque o é. Do alto da sua cátedra - e das mordomias constantes que o estado lhe tem garantido -, é o mais influente da nossa própria cepa de intelectuais de esquerda.

O discurso dele aqui é a parvoíce do costume deste tipo de higienistas intelectuais do regime: não há culpas individuais; somos todos culpados porque todos votamos nestes gajos, e assim a responsabilidade divide-se tranquilamente pelas aldeias. É o canto da sereia, o apelo aos brandos costumes de um povo que por norma se habituou a ser enrabado sem se queixar demais. Porque é chato atribuir responsabilidades individuais. Faz demasiadas ondas, traz conflitos e pode comprometer cátedras douradas no estado e viagens a colóquios em hotéis de 5 estrelas no Brasil e em Paris.

Sejamos gente crescida de uma vez por todas. Se um PM mente à população; se adopta condutas anti-constitucionais, implementando medidas de controlo e centralização inimagináveis em democracias modernas; se destrói a economia e rebenta com a classe média; se controla os média pela pressão dos lobbies e pela intimidação ---- é responsabilizável. É um indivíduo, rodeado de outros indivíduos (ministros, sec. de estado, assessores, etc etc), todos eles responsáveis - e portanto responsabilizáveis - pelas suas condutas individuais.
Por acaso, um governo que fosse conhecido pela sua destreza e capacidade de realização (na prática, não apenas nos outdoors...) não assacaria, legitimamente, os louros da boa governação ? Porque é que ao contrário havia de ser diferente?

Comecemos a ser adultos e a responsabilizar pessoas adultas pelos seus comportamentos objectivos.
Talvez aí possamos ser um país a sério, onde tipos doentes como o prado coelho não recebem cátedras douradas pelos favores prestados ao regime.

Comentar post

.pesquisar

 

.posts recentes

. O Leitinho faz bem à saúd...

. O Tapinha não dói!!

. Descubra as Diferenças...

. "O dobro da prateleira, o...

. Os Lobos vs As Princesas

. World Press Photo

. De volta

. Polícias agridem jovens n...

. O Regresso tão esperado.....

. Reportagem da noite!

.arquivos

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

.tags

. 25 de abril

. aborto

. acervo científico

. adolescência

. alexandra

. almeida garrett

. autárquicas lisboa 2007

. costa da caparica

. deus

. eurosport

. floribella

. grandes portugueses

. hélio pestana

. itália

. luciana abreu

. maddie

. mulher

. nomes

. política

. portugal

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds